RP2M busca compreender como deve ser a prestação de serviços metrológicos dentro do contexto da Indústria 4.0

Publicado em 28 de junho, 2018

A sociedade passa por um processo acelerado de inovações tecnológicas e que transformam continuamente os processos, os produtos e junto a isso também as pessoas. A competitividade neste contexto demanda das empresas uma busca constante por produtividade, redução do tempo de lançamento de novos produtos e geração de novos modelos de negócio.

A dinâmica de vantagem competitiva desse cenário está fortemente ligada à capacidade de adaptação e uso das inovações tecnológicas de forma estratégica para atender a necessidades dos seus clientes. Assim entende-se que as empresas que não adotarem esse modelo de visão sistêmica/tecnológica do mercado entrarão nos índices, já bastante expressivos, de mortalidade de organizações que não consideraram essa evolução.

Baseado no proposto por Klaus Schwab – idealizador do termo “quarta revolução industrial” – não há dúvidas que essa nova onda de inovação levará a algumas rupturas na prestação de serviços. Entende-se que o olhar não deva ser para: “haverá ruptura em minha empresa?”, mas para “quando ocorrerá a ruptura, quando irá demorar e como ela afetará a mim e a minha organização?”.

Neste contexto, entende-se que para continuar com serviços adequados a manufatura, não só compulsórios, mas também com potencial diferenciador estratégico de mercado, os laboratórios da Rede RP2M também deverão se contextualizar nessa nova revolução.

A secretaria executiva direciona seus esforços para o entendimento desta questão.

Fique atento em nossas postagens para acompanhar o andamento deste, tão fundamental, projeto.

Voltar
COMPARTILHAR